sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

ALTERNATIVOS ~

Bom, galere voltei a postar mais uma matéria e agora vai ser sobre...

° ALTERNATIVOS ~






O estilo é popular entre jovens da Capital de São Paulo & litoral.
Alguns dizem que é a mistura de todos estilos em um só, outros ja comentam que é um estilo próprio e adequado para qualquer ocasiao.

O estilo Alternativo nao é nada mais do que um estilo colorido, ...
garotos e garotas que usam blusas coloridas ( Roxas, lilas, amarelas, verdes e afins ), Calças Skinny ( Vermelha, azul, amarela etc... ), juntamente com seus Qix altamente coloridos, ou até mesmo os mais simples deixam os adolescentes hoje em dia, super em alta no modernismo Fashion e Folk.

Voltarei em breve com mais sobre o estilo ALTERNATIVO.
obg

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Harajuku

Olá galera, Apresento agora a vocês mais uma " Têndencia " chamada Harajuku




Harajuku (em japonês: 原宿, Harajuku?) é o nome popular para a área ao redor da Estação Harajuku, na Linha Yamanote do Município de Shibuya em Tokyo, Japão.
Esta área é conhecida principalmente como ponto de encontro de adolescentes, e é localização da loja de departamentos Laforet, que trabalha com a maioria das marcas famosas de moda jovem.
Harajuku se tornou famosa nos anos 90 devido ao grande número de artistas de rua e jovens com roupas extravagantes que se reuniam lá aos domingos quando Omotesando ficava fechada ao trânsito. Isso terminou no fim da mesma década e o número de artistas, fãs de visual kei, rockabillies e punks diminuiu gradativamente desde então. Outro centro da moda chamativa de Harajuku são as gothic lolitas entre as subdivisões do estilo. Mas também se concentram outros como, decoras, Visual kei, e jovens com suas próprias invenções.
Perto da estação de trem há o Templo Meiji, que é famoso pelo grande número de pessoas que o visitam todo ano, assim como o Parque Yoyogi. Também localizam-se perto dali a Rua Takeshita, uma rua repleta de butiques de moda e outros produtos voltados principalmente para o público jovem/adolescente, e Omotesando, uma rua longa com cafés e butiques caras, populares tanto entre moradores quanto turistas. Recentemente, a área conhecida como "Ura-Hara" (travessas de Harajuku) ficou conhecida pelas grifes independentes de moda casual. Os estilos mais arrojados são expostos globalmente em revistas como a FRUiTS. Lugares importantes da região incluem a central da NHK. As ruas ficam lotadas nos fins-de-semana, quando jovens se reúnem para fazer compras e sair com os amigos.
Harajuku é uma localização icônica bastante popular no mundo do entretenimento, dentro e fora do Japão. A cantora estado-unidense Gwen Stefani faz referência a Harajuku em algumas de suas músicas e inclui quatro dançarinas vestidas como "Garotas de Harajuku" em segundo plano em suas apresentações. Uma edição especial de Takeshi's Castle (conhecido MXC nos Estados Unidos) continha uma cena filmada na estação, em que Hayato Tani (ou "Captain Tenneal") dá um de seus discursos de encorajamento para os competidores. O músico e produtor brasileiro Astronauta Pinguim também faz referência ao local, em uma música do seu novo album, Supersexxxysounds. A música chama-se "Harajuku, here we go!" Outra referência é feita na música I'm A Cuckoo do grupo Belle and Sebastian onde aparece "And watch the Sunday gang in Harajuku" .


Darei mais a vocês sobe a moda Harajuku outro dia.
Obrigado pela atenção.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

O visual Kei'



Visual' Kei

Visual kei (ヴィジュアル系, visual kei/bijuaru kei?, "linhagem visual" ou "estilo visual"), ou visual rock, é um movimento musical que surgiu no Japão na década de 1980[1].

Consiste na mistura de diversas vertentes musicais como rock, metal e, muitas vezes, uso de instrumentos relacionados à música clássica, tais como violino, violoncelo e piano. Uma das peculiaridades desse movimento é a ênfase na aparência de seus artistas, muitas vezes extravagante, outras vezes mais leve, mas quase sempre misturada com a androginia, e shows chamativos. No visual kei a música anda sempre ao lado da imagem e vice-versa.

Algumas bandas consideradas pioneiras do visual kei são X JAPAN, D’ERLANGER, DEAD END, BUCK-TICK, Kamaitachi e COLOR. O movimento teve seu auge em meados da década de 1990, quando bandas como BUCK-TICK, X JAPAN, LUNA SEA, Kuroyume, MALICE MIZER, SHAZNA e outras conquistaram o público e o mercado japonês. Mais tarde, durante os anos 2000, bandas como Moi dix Mois, D'espairsRay, BLOOD, Kagerou, Kagrra,, Onmyo-Za, Nightmare e the GazettE iniciaram campanhas oficiais na Europa e em alguns países das Américas, lugares onde hoje em dia também já existe uma base sólida de fãs do movimento.

O visual kei sempre foi um movimento dinâmico e com o tempo foi ganhando variadas vertentes.

A música visual kei
Apesar de ser um termo a princípio referente à imagem das bandas, “visual kei” pode referir-se também à música das mesmas[2], uma vez que várias delas produzem ou produziram músicas de sonoridades que não se encaixam em outros rótulos existentes.

Algumas das sonoridades clássicas do visual kei teriam se caracterizado entre as décadas de 1980 e 1990, consolidando-se na última. Tais sonoridades teriam sofrido influências de estilos musicais como hard rock, punk rock, pós-punk, ska, etc e incluem características, entre outras, como:

Guitarra executando notas limpas (ou com um efeito de overdrive muito leve) com freqüência
Exemplos de bandas:

Kuroyume neo nude Mayoeri Yuritachi ~ Romance of Scarlet 1994
La'Mule Curse Curse 1999
Die In Cries MELODIES VISAGE 1992
Kagerou Nawa Hakkyou Sakadachi Onanist 2001

Guitarra executando riff com notas mortas com freqüência; Exemplos:

Laputa Chemical Reaction Jako 1998
PIERROT Enemy PRIVATE ENEMY 2000
Aliene Ma'riage Tsumi to Batsu Le Soireé 1999
BUCK-TICK SEXUALxxxxx! SEXUALxxxxx! 1987

Linhas de baixo proeminentes, freqüentemente trabalhando com grooves e fraseados que conduzem a base da harmonia enquanto as guitarras preenchem a mesma e incrementam o ritmo da canção; Exemplos:

LUNA SEA Déjàvu IMAGE 1992
D'ERLANGER DARLIN' BASILISK 1990
Kagrra, Nue no Naku Koro Nue 2000
Janne Da Arc Sakura D.N.A 2000

Alguns trabalhos que primam pela polifonia entre duas ou mais guitarras e um baixo, de modo que cada instrumentista evite apenas repetir a mesma linha de outro, buscando consideráveis variações rítmicas e/ou harmônicas; Exemplos:

LUNA SEA ROSIER MOTHER 1994
Dir en grey Yurameki GAUZE 1999
MALICE MIZER Tsuioku no Kakera Voyage ~sans retour~ 1996
La'cryma Christi Blueberry Rain Sculpture of Time 1997

Em termos de ritmos de bateria, o visual kei utiliza diversos, de acordo com a necessidade de cada música, buscando referências em suas variadas influências. Exemplos de alguns ritmos mais comumente usados podem ser encontrados nas músicas supracitadas.
Outra característica notável são os tipos de melodias utilizadas. De fato, a música japonesa em geral parece trabalhar com melodias que normalmente diferem consideravelmente de padrões melódicos ocidentais. No j-rock (e, conseqüentemente, também no visual kei), essas melodias são marcadas por características como variação e alcance de notas consideravelmente distantes (por vezes, com mudanças súbitas) e emoções mais intensas ou que percorram caminhos notavelmente diferentes (mais melancólicos, por exemplo) do que os de melodias ocidentais; Exemplos:

GLAY Glorious BEAT out! 1996
L'Arc~en~Ciel Blurry Eyes Tierra 1994
Kuroyume autism -Jiheishou- Mayoeri Yuritachi ~ Romance of Scarlet 1994
D'ERLANGER LA VIE EN ROSE LA VIE EN ROSE 1989

Obs.: Apesar de alguns dos exemplos supracitados serem músicas lançadas durante a década de 2000, ao ouvi-las, percebe-se claramente que as mesmas possuem elementos estabelecidos no meio visual kei durante as décadas de 1990 ou 1980.

Já existia uma boa variação de estilos entre as bandas visuais até a década de 2000. Após o início da mesma, tal variação cresceu ainda mais, buscando novas e ainda mais diversificadas fontes de inspiração. Entre diversos casos, pode-se citar o do grupo Kagrra, que combinou o rock do visual kei com música tradicional japonesa e deu origem ao que chama de “neo-japanesque”; o do Merry, que mistura em seus trabalhos elementos de jazz, punk e rock’n’roll tradicional; e o de Miyavi, que desenvolveu um estilo solo onde realiza diferentes funções ao mesmo tempo como cantar, tocar violão com técnicas pouco comuns na utilização do mesmo como slap e executar percussão em um gigpig e/ou no corpo do próprio violão. Adiante, Miyavi combinou este estilo a uma abordagem mais pop e hip hop, contando com o apoio de uma banda que inclui DJ, MC/beatboxer e sapateador, gerando o que ele nomeou como “neo vizualism”.

Um caso que parece já ter servido de inspiração para diversas outras bandas é o do Dir en grey. Em 2002, o grupo começou a adicionar elementos do nu metal à sua música, característica que prevalece até hoje em seus trabalhos. Na mesma época, o MUCC começou a fazer uma mistura semelhante, porém com outra roupagem. No entanto, devido a semelhanças sonoras que abrangem, por exemplo, padrões de riffs e linhas vocais, é possível que tenha sido o Dir en grey o grupo inspirador de bandas como the GazettE, girugämesh, RENTRER EN SOI e Sadie (que inclui ex-roadies do Dir en grey).

Principais subgêneros

Como visual kei é um termo que não denomina diretamente um determinado tipo de musicalidade, uma parte da comunidade utiliza outros termos que denominam subgêneros na hora de explicar características da música. Porém, como uma parte dessas divisões foi concebida apenas pela aparência externa, não devem ser utilizadas como uma divisão rígida da música. Esses gêneros se diversificaram a partir da segunda metade da década de 1990, mas foram sendo "selecionados" e recentemente alguns caíram em desuso. É característico que um gênero, ao expandir sua influência, acabe causando a perda de popularidade dos demais gêneros de forma rápida. Também é comum haver uma separação de gêneros por regiões.

Kotevi kei

Gênero interpretado e tido como um dos mais proeminentes, ao menos na década de 1990. Pensa-se que o nome foi dado como antônimo de “soft visual kei”. O kotevi kei tem tendência a dar mais ênfase à presença de palco do que a performance musical em si, sendo caracterizado pelo uso de roupas esplendorosas e vistosas. As bandas atuam predominantemente na cena indie (independente), com poucos grupos atuando como major. A primeira fase de Dir en grey é um exemplo de kotevi kei que chegou a atuar como major. Kotevi kei também é freqüentemente chamado de "kote kei". Embora seja comumente tratado como o contrário do soft visual kei, ambos os estilos têm origem na cidade de Osaka e fizeram sucesso em épocas próximas, tendo, portanto, diversas semelhanças. Dentro do kotevi kei podemos distinguir ainda o “kuro kei (grupo preto)” e o “shiro kei (grupo branco)”. O kuro kei é caracterizado pelo seu som pesado e obscuro e por suas composições mais rápidas, enquanto que o “shiro kei” é voltado para um som melodioso e composições “limpas”. A banda responsável pela criação do shiro kei seria L'Arc~en~Ciel, que, no começo de sua carreira, costumava se apresentar com a cor branca em destaque em suas roupas.[4] Além disso, L'Arc~en~Ciel tocava músicas com características dos sons visual kei, mas não tão pesadas e agressivas quanto os trabalhos de alguns de seus contemporâneos do mesmo movimento.

Kurofuku kei

Segundo o nome, é um estilo cuja base é formada pelas roupas com elementos pretos. Refere-se a bandas do final da década de 1980 e da primeira metade da década de 1990, que possuíam um estilo mais obscuro, com possível referência ao gótico. Não é comum usar o termo "kurofuku kei" para se referir às bandas que utilizavam roupas compostas por esmalte. Diz-se que Youka é a banda precursora deste movimento. Também se encaixam neste estilo BUCK-TICK,LUNA SEA, ZI:KILL, Kuroyume e BY-SEXUAL (ao menos, no início de suas respectivas carreiras). Há diversas bandas que tentaram seguir o kurofuku kei. Ao se comparar com o kotevi kei, a maquiagem é pouca, e é comum usar maquiagens que dêem uma imagem mais obscura.

Soft visual kei

Conforme o nome, são bandas que utilizam como fundamento roupas pouco chamativas e maquiagem leve (por exemplo, apenas base). É o estilo de visual que possui o maior número de fãs homens. Surgiram com força no final da década de 1990, com diversas bandas atuando como major ou próximos disso, ao contrário do kotevi kei, que ganhava destaque na cena indie, na época. Alguns exemplos de bandas de soft visual kei são GLAY, SIAM SHADE, SOPHIA, Janne Da Arc e Sid (ao menos, no início de suas respectivas carreiras). O estilo teria entrado em "vias de extinção", juntamente com o kotevi kei, no início do novo século.

Oshare kei

Encaixam-se neste rótulo bandas que se vestem com roupas "fashion" (com mais pormenores e mais vistosas). Esses grupos explodiram na cena indie entre 2002 e 2004, quando a influência das bandas kotevi kei começou a cair (no final de 2001, Dir en grey começou a distanciar-se bruscamente do kotevi kei, por exemplo). Diz-se que este movimento tem suas raízes nos trabalhos do baroque. No oshare kei, é comum ouvir composições mais pop e "coloridas" do que as de outras bandas, incorporando uma tendência de um ritmo mais variado. Bandas representativas são AN CAFE, Ayabie, Charlotte, Aicle, entre outras.

Koteosa kei

Tornando-se popular a partir de 2005, é percebido com um estilo para o qual o oshare kei teria "evoluído". Tanto pela aparência quanto pela música, pode-se pensar que é resultante da fusão de oshare e kotevi kei. Exemplo de uma banda é LM.C

Iryou kei

Nome dado às bandas que chegaram a usar aparência que remete a uma atmosfera médica, como roupas de hospital, gazes ou curativos de olhos. Pode-se citar como exemplos PIERROT, MALICE MIZER e La'Mule. Até mesmo no cinema e na literatura há casos de obras que usaram cenários escuros como os que existem nos hospitais, e estas bandas chegaram a utilizar tais elementos para representar sua música nesta atmosfera. As composições seriam obscuras e remeteriam a locais sombrios e úmidos.

Nagoya kei

Um dos termos genéricos usados para designar as bandas de visual kei cujas atividades se concentram nos arredores de uma determinada cidade ou região japonesas, no caso, Nagoya. O exemplo mais representativo do nagoya kei é Kuroyume. Essas bandas ganharam força por volta de 1990 e prosperaram no cenário de gravadoras independentes. Também houve diversas bandas que atuaram no cenário das grandes gravadoras, mas como a popularidade do visual kei começava a diminuir rapidamente, também houve diversas bandas que duraram pouco tempo. Também há bandas que continuaram atuando mesmo após a queda da popularidade do visual rock, tais como ROUAGE, Laputa e FANATIC◇CRISIS. Há diversas bandas que se aproximam dos gêneros kotevi e kurofuku kei, mas em relação à música, os grupos costumam desenvolver sonoridades próprias. A tendência de pessoas de Nagoya não simpatizarem com pessoas da região de Kanto, particularmente da cidade de Tóquio, teria feito com que essas bandas atuassem próximas uma das outras, o que pode ter contribuído para um ambiente mais fechado, onde as características peculiares desse estilo puderam tomar forma. Segundo o site JmusicEuropa, o Nagoya kei tem três gerações: a primeira (até 1997), representada por bandas como Kuroyume, ROUAGE e Silver Rose, a segunda (1997 até 2002), representada por bandas como deadman, Blast, BERRY e GULLET, e a terceira (2003 até atualmente), representada por bandas como lynch., UnsraW e DEATHGAZE.[5] Em entrevista ao site JmusicEuropa, Reo, guitarrista do lynch. e ex-guitarrista do GULLET, tenta explicar o motivo da criação de um rótulo do movimento visual kei exclusivo para Nagoya: "Eu acho que a conexão entre seniores, juniores e colegas é mais forte do que em outras regiões. Nós sempre assistimos a shows de nossos colegas, seniores e juniores, então somos influenciados por eles, naturalmente. Das pessoas a nossa volta, temos um ar peculiar, eu acho. (...) Somos influenciados no modo de pensar e vários outros aspectos além da música, então parecemos similares nisso para bandas de outras regiões, eu acho. Nagoya tem uma população menor do que as de Tóquio ou Osaka, então a cena musical é bem condensada. (...) Eu acho que a influência da primeira geração de bandas obscuras e bacanas como Kuroyume e ROUAGE ainda está presente hoje."[5]

Angura kei e eroguro kei

"Angura" é uma palava japonesa equivalente à inglesa "underground", um termo que designa manifestações alternativas e de pouca exposição na mídia. O conceito do angura kei foi aplicado primeiro nos teatros japoneses nos anos 1960 e depois em outras formas de arte, como pintura e música. A intenção era criar algo unicamente japonês, uma contracultura, se opondo à invasão cultural estadunidense—que começou após a Segunda Guerra Mundial. Desde o início dos anos 1990, a música angura kei vem conquistando restrita popularidade no Japão, sem perder seus conceitos de contra-cultura—um rock despretencioso, misturado com cultura nipônica. Um famoso exemplo de angura kei é a banda Inugami Circus Dan, formada por três homens e tendo no vocal uma mulher, algo incomum no visual kei.

A palavra "eroguro" é uma mistura adaptada para o japonês das palavras "erotic" ("erótico" em inglês) e "grotesque" ("grotesco" em inglês). O termo "eroguro kei" vem do movimento "eroguro nonsense", estilo artístico criado no Japão por volta de 1920, expressado através da literatura, artes visuais e, no final dos anos 1980, na música, principalmente no movimento visual kei. Temas decorrentes do eroguro kei são representações decadentes de sexualidade, horror chocante e humor sádico, embora isto não seja uma regra (vide próximo parágrafo). Um grupo reconhecido como pertencente ao eroguro kei é o extinto cali≠gari. Seu single “Kimi ga Saku Yama” (de 2000) tinha como tema a necrofilia. O CD trazia estampado o resultado de uma pesquisa feita com cem estudantes colegiais: "Você gosta de necrofilia?" -- 42% responderam "não", 29% responderam "sim", 19% ficaram indecisos e 10% não responderam. Uma banda que assume claramente o rótulo de eroguro kei é Merry, que teve algumas capas de discos criadas pelo renomado quadrinhista eroguro Suehiro Maruo.

Estas definições de angura kei e eroguro kei não são definitivas ou absolutas. As informações sobre os assuntos disponíveis em idiomas ocidentais são escassas ou, em muitos casos, de baixa confiabilidade, por serem textos que freqüentemente expressam as visões pessoais de fãs. Algumas vezes, é difícil definir até mesmo se uma banda é na verdade eroguro ou angura. MUCC é um grupo associado por muitos fãs ao eroguro kei, embora não haja evidências de que algum trabalho do MUCC encaixe-se em tal rótulo. Outros exemplos de bandas associadas ao angura kei e/ou ao eroguro kei são Guruguru Eigakan e Dagashi Kashi

Ex-bandas visuais

É muito comum que, com o passar do tempo, bandas visuais adotem uma imagem menos elaborada das que as caracterizaram como uma banda de visual kei, freqüentemente realizando mudanças também em seu som e no seu comportamento no palco. Existe controvérsia dos fãs entre si e entre os veículos da mídia, também entre si, de quando uma banda ou um artista deixam de participar do movimento visual kei.

Um caso clássico desta controvérsia é o do grupo Dir en grey. Um dos maiores representantes do visual kei no final da década de 1990 e no início da de 2000, a banda atualmente se apresenta trajando roupas como camisetas e calças jeans comuns e tocando um som com influências de rock e metal pesados ocidentais. No entanto, mesmo após a mudança, alguns textos continuam referindo-se a eles como banda visual. (Ex.:)

Em outros casos, pode haver confusão gerada pelas próprias atitudes, trabalhos e declarações de um artista. O cantor Gackt foi vocalista da banda visual MALICE MIZER. Quando iniciou sua carreira solo, adotou um visual bem mais casual, abandonando a maquiagem pesada e cabelos excêntricos e usando roupas menos trabalhadas. Além disso, sua música não possui características semelhantes com os sons clássicos do visual kei dos anos 1990, tampouco com os sons de bandas mais recentes que se inspiram nos mesmos. Apesar de tudo, Gackt considera-se um artista de visual kei.

Grafias de nomes de bandas e trabalhos do visual kei

No geral, os japoneses freqüentemente trabalham a estética das palavras escritas com algarismos romanos, por eles chamados de "romaji". Diferente da cultura Ocidental, na qual nomes próprios normalmente são escritos apenas com a primeira letra maiúscula e as seguintes minúsculas, na cultura japonesa há nomes gravados de diversas formas diferentes. No mercado fonográfico do Japão—o que inclui artistas visuais, logicamente—encontram-se nomes de bandas e artistas gravados oficialmente apenas com letras maiúsculas (ex. BUCK-TICK, PIERROT), apenas com minúsculas (ex. hide (músico)|hide]], deadman), com misturas de maiúsculas e minúsculas (ex. KuRt, HIZAKI grace project), com apóstrofos (ex. La'Mule, La'cryma Christi), tios (L'Arc~en~Ciel, Fine~A’rts), pontos finais (LAB. THE BASEMENT,alice nine., ANNY’s LTD.), vírgula (Kagrra,), dois pontos (ZI:KILL, DAS:VASSER), os mais diversos sinais gráficos (cali≠gari, Lυτёη∀), tradução de ideograma com letra trocada (雅-miyavi- – os japoneses pronunciam "miyabi" de qualquer modo, pois trocam o "v" pelo "b" na hora de falar), etc.

Há casos com diferentes romanizações oficiais adotas por alguns artistas. Por exemplo, os trabalhos da banda Dir en grey, que romaniza com todas as letras maiúsculas todos os títulos de discos, músicas e etc. que originalmente são escritos com ideogramas. Outro exemplo de mudança de grafia quando há romanização é o nome do músico Miyavi, que em textos em inglês escreve-o com a primeira letra maiúscula, em vez de apenas retirar o ideograma e usar a primeira letra minúscula, como na grafia original usada durante vários anos a partir de 2002.

Visual kei no Ocidente

A base de fãs ocidental do visual kei compõem-se principalmente por não-descendentes de povos asiáticos. A despeito do consumo de música asiática por parte de descendentes que vivem no Ocidente, o visual kei e o j-rock (rock japonês) começaram a conquistar fãs ocidentais com grande quantidade e freqüência entre o final da década de 1990 e o início da de 2000, divulgados de fãs para fãs pela Internet e pessoalmente ou mesmo com uma promoção profissional realizada através de trilhas sonoras de desenhos animados produzidos no Japão. A maioria dos artistas japoneses de rock apreciados no Ocidente são visuais e não possuem envolvimento com animações.

Ainda na primeira metade da década de 2000, o cenário no Ocidente tornou-se propício para que bandas e gravadoras investissem nele oficialmente, lançando discos e realizando shows. Um dos primeiros shows de visual kei realizado no Ocidente de que se tem notícia ocorreu com a banda DuelJewel na cidade de Houston, Texas, Estados Unidos, em 2002. A apresentação foi uma das atrações do evento A-kon, uma ação que visava atrair, a princípio, interessados pela cultura pop japonesa em geral. Alguns dos primeiros lançamentos de visual kei no Ocidente foram realizados pela empresa francesa Mabell em 2004 e incluíam discos de bandas como KISAKI PROJECT e Vidoll. A partir desta época, cada vez mais grupos visuais começaram a tocar na Europa, principalmente em shows próprios, não atrelados a eventos que envolvem outras atividades além da música. Entre estes grupos estão BLOOD, D'espairsRay, Moi dix Mois, KISAKI PROJECT, Kagerou, deadman, Ayabie, Onmyo-Za, the GazettE, Dio e tantos outros.

Com o tempo, o número de fãs de visual kei e j-rock foram aumentando no Ocidente, onde o rock japonês tornou-se, assim como no Japão, um segmento de arte e entretenimento independente de outros da cultura pop japonesa. Na Alemanha, foram criados dois selos que trabalham exclusivamente com bandas japonesas de rock (visual kei, em sua maioria), a Gan-Shin Records (uma parceria da loja Neo Tokyo com a empresa de marketing musical Brainstorm) e a CLJ Records. Apesar de serem alemães, os selos distribuem discos e promovem shows em toda a Europa.

A grande mídia européia notou o fenômeno visual kei no Ocidente. Revistas, rádios e canais de TV realizaram especiais sobre visual kei e j-rock e passaram a acompanhar as carreiras de alguns artistas e noticiar suas realizações.

Bandas como MUCC, D'espairsRay, Moi dix Mois e Kagerou chegaram a participar de festivais como Wacken Open Air, Wave Gothik Treffen e Rock am Ring, cuja edição 2006 teve o Dir en grey entre suas atrações principais.

Nos Estados Unidos, a cena é consideravelmente menos aquecida do que na Europa, com menos lançamentos e menos shows. No entanto, alguns fatos ocorridos no país chamam atenção. No final de 2006, o videoclipe "SAKU", do Dir en grey (lançado originalmente em 2004, uma época em que a banda ainda se considerava visual kei) foi eleito o clipe de metal do ano pela audiência do programa Headbangers Ball, da MTV2.Em 2007, ocorreu o primeiro festival de rock japonês no Ocidente, Jrock Revolution, em Los Angeles, nos dias 25 e 26 de maio. Promovido por YOSHIKI (X JAPAN, Skin), o evento contou com apresentações de nove bandas/artistas visuais: Kagrra,, DuelJewel, Vidoll, Miyavi, alice nine., D'espairsRay, Merry, girugämesh e MUCC.

Em 2007, YOSHIKI, baterista e líder do X JAPAN, co-produziu, ao lado de Jonathan Platt, a trilha sonora do filme "Catacombs", dos mesmos produtores da série "Jogos Mortais". YOSHIKI também escreveu a música-tema do filme, "Blue Butterfly", lançando-a pelo seu projeto Violet UK, sendo a primeira música do mesmo a sair em um álbum (o da trilha sonora do filme). Ainda em 2007, no dia 26 de outubro, o X JAPAN retornou à atividade fazendo sua estréia mundial com a até então música inédita "I.V." como tema de encerramento do filme "Jogos Mortais 4". No primeiro bimestre de 2008, estreou em cinemas de diversos países (incluindo Brasil e Estados Unidos) o filme "Cloverfield - Monstro", cuja trilha sonora conta com o single "FUZZ" do MUCC.

Visual kei no Brasil

No Brasil, existem vários fãs de visual kei que, além do visual rock, se interessam também por outras formas de rock japonês. Em 2006, o evento J's Fest II (Japan Song Fest II) atraiu 1.500 visitantes ao Circo Voador, no Rio de Janeiro, que prestigiaram, entre outras atrações, bandas nacionais inspiradas por artistas do visual kei e do j-rock. Diversos eventos de natureza semelhante ocorrem em diversas regiões do país freqüentemente.

O primeiro show de visual kei do Brasil foi anunciado com as bandas Charlotte e Hime Ichigo, em um evento chamado J-Rock Rio, previsto para acontecer no Rio de Janeiro no dia 5 de agosto de 2007. Porém, o festival foi cancelado por problemas de organização que incluíam o desconhecimento da existência do evento por parte da casa anunciada como local para os shows, o Scala Rio. Até mesmo as bandas que viriam para se apresentar não foram avisadas do cancelamento do J-Rock Rio. Algumas semanas depois, a Yamato Comunicações e Eventos anunciou uma parceiria com o site JaME Brasil (Jmusic America - Brasil) para produzir um show do Charlotte em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, ambos em novembro de 2007. Segundo números divulgados na comunidade "J-Rock ~ Visual Kei", no Orkut, por David Denis (membro da equipe da Yamato), compareceram no show de São Paulo cerca de 1100 pessoas e, no show do Rio de Janeiro, cerca de 600 pessoas.

Em maio de 2008, Miyavi realizou seus primeiros shows no Brasil, como parte de sua turnê mundial "THIS IZ THE JAPANESE KABUKI ROCK TOUR 2008". Inicialmente ocorreria apenas uma apresentação no dia 24/05 em São Paulo. Com o esgotamento de todos os 1400 ingressos disponíveis apenas dois dias depois do início das vendas, um segundo show foi marcado no dia 23/05. O evento—mais uma vez fruto de uma parceiria entre Yamato e JaME—foi coberto por grandes veículos da mídia nacional como os canais de televisão Globo, Record e MTV Brasil e o jornal O Estado de São Paulo.

Por: Fylipe Katsuhiro'

quinta-feira, 16 de julho de 2009

( Mellisa Marie, from Millionaires )
Apresento a vocês o From uk'

Calça skinny, All Star, camisetinhas de banda e muitos acessórios incríveis.
XTENDENCEX te apresenta a From UK, tribo que mistura estilos e arrasa no visual! dik'

Se você é do tempo em que ser from uk significava ter nascido em algum dos países britânicos (United Kingdom ou Reino Unido = Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte), você certamente não acessa o My-space amr ;*.

O site de relacionamento é hoje o grande alvo da tribo dos from uk, um novo estilo que mistura comportamento desencanado, exposição da própria imagem no mundo virtual e muita, muita moda, importada dos jovens britânicos e seus visuais moderninhos. FATO!

Para ser um autêntico from uk, alguns elementos são essenciais como: calças skinny justésimas, camisetas de bandas indies ou com estampas fofas (Hello Kitty, Glommy, caveirinhas e cifrões são super in), soqueiras inglesas (as famosas brass knuckles), meias do tipo arrastão ou coloridas, coroinhas de princesa, maxi bolsas e óculos retrô igualmente grandes.

Os itens podem ser encontrados em lojas de grife ou em lojas populares e brechós, tanto faz, desde que a montação final seja fashion e estilosa.

Nos pés, All Star Brancos S-E-M-P-R-E', Nike ou Adidas old school, sapatilhas de boneca, pantufas, botas plataforma e finíssimos ( scarpins )também são bem aceitos.
O que importa é copiar o estilo descolado de quem mora acima dos trópicos onde, as pessoas são mais liberais e é possível andar na rua sem ouvir alguém gritar “olha um emo!”. T.\'

Outra marca registrada ® dos adeptos do from uk são as tatuagens, alargadores de orelha e piercings, principalmente no septo, entre os olhos, nos lábios e ao lado da boca (conhecidos como snake bites), muitas vezes usados todos juntos. O que interessa é se destacar da grande maioria, criar um estilo único e mostrar o visual na internet, claro meu bem ;*

O que se convencionou chamar, no Brasil, de from uk nada mais são do que os próprios emos americanos.

“Tudo começou na internet, porque bem antes disso já se entendia que emo era quem usava coisas como: camisetas listradas, lacinho no cabelo e munhequeira e maquiagem bem forte ;)
Depois do My-space, as pessoas daí passaram a ver como era "cool" aqueles visuais glamourosos dos jovens (a maioria deles se identificava como “from uk”, por isso o nome), e adotaram e pegarão o estilo”.
Por' : Fylipe Katsuhiro

quarta-feira, 15 de julho de 2009


' O estilo vem de longe, lá do Reino Unido, apresento a vocês o:
Scene Kids !, Scene Queen, Scene Princess, Scene Boy, Scene King,
Sex Queen etc...

Como dá para notar, temos várias categorias de scenes, vou explicar sua origem.
Eles vieram do 'my space', os scene é uma evolução dos emos, mas eles colocam em sua prioridade ' a cena',
ou seja, como eles se vestem, maquiagem, eles se preocupam em ficar popular na internet, por sua beleza...

Os scenes não se cortam, não entram em depressão fácil, e não curti emocore.
Musicas que os scenes preferem são: Post-hardcore, screamo, new metal, e por ai vai...
Os scene existem desde os anos 80, bem antigo, né...

Só que como todo passado não tinha tanta tecnologia pra se priorizarem, como a Internet.
Hoje em dia eles já usam esse recurso para se expandir, virando fake.

Por': Fylipe Katsuhiro

A moda' :
Os scene tem um jeito muito criativo, e alternativo de se vestirem, porém eles também seguem um padrão: "ser a cena!".
Hoje vou falar o que você pode vestir - isso intriga muitas pessoas, pelo fato de serem confundidos com EMOS e outras tribos relacionadas - O que essa tribo usa como acessórios, em que ocasião você pode vestir, quais modelos a serem seguidos, onde encontrar, etc.
Roupas sempre muito coloridas, acessórios grandes e coloridos, e sempre um sapatinho 'cool' é o básico para um scene.Vamos falar agora sobre as roupas e como elas devem ser usadas:
Blusas' :
Com bolinhas Coloridas, Decotadas ou não.
Bem chamativas (estampas grandes como hello kitty, robôs, abóbora de halloween ou até mesmo riscos!)
Camisetas' :

Bandas indies
Casacos' :
Ossos de caveiras, corações, coloridos (arco íris é uma boa escolha)
Calças' :
Skinny justas
Acessórios'
Grandes normalmente eles usam bem coloridos (Hello Kitty, Glommy, caveirinhas, cifrões, diamantes, cup cake, soqueiras inglesas as famosas brass knuckles também pode ser uma boa alternativa)!
O quanto mais acessórios melhor.
Óculos' :

Bem grandes e estravagantes.
o principál é para chamar bastante antenção e arrazar!
Anéis' :

Bem grandes, combinando sempre com os cordões um bom exemplo para quem gosta de chamar atenção : se for cup cake o cordão ou colar , pode usar um anel de caveira ), concerteza ira abalar!
Tiaras' :
Bem coloridas, se provavel pode ser com bolinhas pretas com branco e afins.
tambem tiaras de laços etc...
Laços':

Coloridos, grandes , quem preferir pode usar até tic tac'
Coroas' :
Pequenas do estilo de princesa!
uma dica boa não saia na rua com uma mini-saia rosa, e um top rosa,
pagando pau de ' Princesa de Super Mario' me polpe!
Pulseiras' :
Já ouviu falar de 'rebeldes'?
Concerteza!
A atriz Anahí que fazia o papel de Mia Colucci na novela rebelde
vocês já repararam nas pulseiras dela concerteza
Tire como um exemplo, ela é um bom exemplo a ser seguido nas pulseiras!
Bolsas' :
Prefira aquelas bem grandes mesmo,
bem diferente das padrões, elas podem ser enfeitadas com chaveiros grandes, de caveiras, betty boop, botons, etc.
Sapatos' :
All Star, Mari Jane, Sapatilhas, Molecas, Adidas old school, nike, Sapatilhas² ( estilos de boneca), Pantufas, Botas ( plataforma ou comun ), Scarpins bensfinos arrazao!

Bom gente vou deixando voces por aqui, depois posto, " Como vestir, em qual local, onde voce pode encontra tudo isso e muito mais.
Tchauu gentchi
2bjs ;**

Por' : Fylipe Katsuhiro

Onde você deve vestir' :

Bom, esse visual é bem alternativo, diferentes de outros undergrounds, você pode usar em qualquer ocasião, porém deve se respeitar o momento, o lugar, enfim você pode ser a cena sem chamar atenção para o ridículo, é só você escolher bem sua roupa, se for uma ocasião formal, vá com um vestido de bolinhas, ou um vestido balonê, você vai ser 'a cena' seu look vai estar lindíssimo é só ousar um pouco nos acessórios, e então 'voalá', seu look está armado!

Onde você encontra' :

Na maioria, em grifes, mas como nem sempre temos 'money' pra comprar nessas lojas.

dicas' :

Você pode adquirir em lojas alternativas: leader, C&A, mariza, etc... Só basta você ter um pouco de imaginação e criatividade para inovar seu guarda-roupa, você pode ir até numa lojinha pequena e encontrar maravilhas, só basta procurar, e o custo sai baratinho, baratinhooo....

Modelos que podem serem seguidos' :

Hanna Beth
Dani Gore
Izzy Hilton
Kiki Kanibal
Dakota
Jac Vanek
Audrey Kitching
Zui Suicide
Jeffree Star

From Roça no Brasil'

Preciosas horas do meu dia são gastas a procura de novas bandas, cantores e ocasionalmente achados musicais no myspace/purovolume.
Foi assim que eu descobri Brokencyde, Boys Like Girls (sim, eu ouço o Nx zero dos Estados Unidos) e The Devil Wears Prada.
Não só eu, mas como a maioria dos admiradores de boa música passa os seus dias assim. E juntando todas essas descobertas 70% fica composto pelos gringos.
Logo, essa gringoria toda às vezes nos impede de ver as coisas incríveis que o Brasil está oferecendo.
Então, para começar dignamente o 'meu post' paga pau para o país tropical nada melhor que minha maior descoberta nesse meio pra fim de ano.

Se eu pudesse indicar uma única banda made in Brasil dentre as tantas que eu andei descobrindo ia ser essa.
É a mistura entre Metro Station e Forever The Sickest Kids que faltava na minha vida e na de todos vocês.
Resumindo: se ainda não ouviram (o que é meio impossível nessa bolha chamada internet) precisam desesperadamente ouvir Cine.
Não só pela qualidade da banda e os whoooos e whoaaas que o Dih vocalista da banda e o Dave o back, não identifiquei qual dois ainda confesso, fazem. Mas é para começar a sentir orgulho do que o cenário musical brasileiro está se tornando.

Ouviu ,gostou quer virar realmente mesmo?
Do tipo que divulga, defende e afins?
Antes assista a entrevista dos meninos e o clipe de Dance e não se canse.
Aí depois de rir horrores com a entrevista e ver como os meninos mudaram depois do clipe fique fissurado de vez ._.'

Outro achado imperdível é In Memoriam que assim como a Cine já deve ser do conhecimento de vocês, mas vale à pena falar de quem merece.
Além das letras incríveis os screams tomam conta das músicas *-* (relevem minha queda por screams,ok?).
Omissão ainda é a minha favorita, se quiser seguir minha dica comece por ela.
Tem também as músicas hilárias da Syltreck.
Juro que lembrei dos Mamonas Assasinas ouvindo ‘Não duvide da minhas masculinidade’, por causa dos backs e das vozinhas que o Johnny faz durante a música.
Vale muito a pena ouvir, e dar ótimas e demoradas risadas com as músicas.

E acima de tudo, me prometam que vão ver o vídeo de natal que eles fizeram.
Os meninos lá atrás tão bonitinhos tipo criancinhas felizes cantando a música, e sobro até pra Jesus no final-q .
Se der veja os outros vídeos do canal deles no youtube.
Voltando a falar de powerpop, mega orgulho de dizer que o povo brazuca está começando a mandar muito bem nessa seção.
Tambem sem esquecer da C.S.S' ( cansei de ser sexy ), que eram de Santos, e com tamanho sucesso conseguiram chegar ao exterior ;*

Por essas e outras encerro o post com Restart .
Os garotos estão fazendo uma mistura dos eletrônicos com o estilo das letras e a batida, só sei que no fim fica incrível o conjunto da obra.
Imperdível, mesmo.

Por fim, mesmo que já tenha ouvidos alguma dessas bandas, ou todas elas antes, é hora de começar a prestar mais atenção no cenário musical brasileiro.
Não só com as bandas que já estão bombando na Mtv, que vão ao Faustão-oloco' e tudo mais. Mas no que está começando a acontecer fora dos holofotes ou já estão entrando na luz deles.
É surreal perceber que enfim, estamos competindo de igual pra igual com os gringos.

Viva o From roça brasileiro' o/

Por' : Fylipe Katsuhiro'

Ocorreu um erro neste gadget

Minha lista de blogs

Seguidores